“O gado e os bois de piranha”: site Poder 360 publica artigo do Presidente e do Secretário Geral da APESP!

Blog do Fausto Macedo publica o artigo “O federalismo que emerge da pandemia”, de autoria do Presidente e do Secretário Geral da APESP!
22 de maio de 2020
Conselheiros eleitos e PGE tratam da reestruturação da carreira no pós-pandemia; ofício assinado também pelas entidades de classe foi entregue!
28 de maio de 2020

O portal de notícias Poder 360 publicou hoje o artigo “O gado e os bois de piranha”, de autoria do Presidente da APESP, Fabrizio Pieroni, e do Secretário Geral, José Luiz Souza de Moraes, que aborda a ameaça à biodiversidade do país e o papel de “boi de piranha” relegado à população brasileira. Confira AQUI a publicação diretamente no site ou leia a íntegra abaixo:

O gado e os bois de piranha, escrevem Fabrizio Pieroni e José Luiz Moraes

Por décadas, o Brasil foi conhecido como grande potência ambiental, em especial em razão de sua riquíssima biodiversidade, que não se reduz à mundialmente conhecida região amazônica, mas também está amplamente distribuída pelo nosso Cerrado, a Mata Atlântica, a Caatinga, os Pampas e o nosso formoso Pantanal. Essas seis riquezas da biodiversidade brasileira sempre destacaram o país no cenário internacional e atraem os olhos do mundo para nossa capacidade de preservá-las para o futuro da humanidade.

A preocupação mundial com o meio ambiente despontou de forma recente, durante a era da industrialização que ocorreu após a Segunda Guerra Mundial e a publicação de um livro que mudou a forma de encarar a natureza que até então se mostrava aparentemente ilimitada à degradação humana. Em 1962, a obra Silent Spring da norte-americana Rachel Carson influenciou a sociedade internacional a buscar novos caminhos para o que a autora chamou de “a fábula do amanhã”, a destruição e as mortes causadas pela ação da poluição humana.

Apenas dez anos mais tarde, a Declaração de Estocolmo de 1972 se tornava o principal instrumento internacional de proteção ambiental, proclamando que o homem é ao mesmo tempo obra e construtor do meio ambiente que o cerca e, assim, conclamava os governos e os povos para união esforços para preservar e melhorar o meio ambiente em benefício do homem e de sua posteridade.

Nossa Constituição de 1988 previu em seu texto o Princípio do Desenvolvimento Sustentável apontando que todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações, elevando o meio ambiente sadio a um reconhecido direito fundamental, sem o qual não se pode ter qualidade e dignidade de vida.

A preocupação da comunidade internacional com o futuro do planeta colocou o Brasil em um lugar de destaque, pois apesar de não termos as melhores tecnologias, os maiores museus ou mesmo colaborado de forma marcante para com o conhecimento humano como outras sociedades, nós tínhamos um trunfo, o futuro do mundo estava, em grande medida, em nossas mãos, cabendo a nós preservá-lo trilhando o caminho de desenvolvimento sustentável e, assim, tornar-nos uma superpotência mundial e exemplo a ser seguido.

Paradoxalmente, nesse momento em que o mundo tenta descobrir um tratamento eficaz para o grande mal que assola a humanidade, a covid-19, nossa biodiversidade, que pode ser a chave de ouro para um medicamento, está, como jamais esteve, ameaçada.

Descobrimos, atônitos, vendo e ouvindo a gravação de uma reunião ministerial da Presidência da República, que aqueles que deveriam exercer esse imenso poder de preservar nossas riquezas, estão conspirando fortemente pela sua destruição e de forma absolutamente nefasta.

Ao invés de ser preocuparem com as milhares de mortes pela pandemia, nossos gestores viram nessa desgraça humana uma janela ímpar de oportunidade. Segundo o ministro Ricardo Salles, é preciso aproveitar o momento de “tranquilidade no aspecto de cobertura de imprensa, porque só fala de covid e ir passando a boiada e mudando todo o regulamento e simplificando normas”.

Em triste passagem, que revela pouco conhecimento do papel institucional da advocacia pública, a Advocacia Geral da União também foi mencionada, pois deveria estar com “artilharia preparada” para fornecer os pareceres necessários, pois, segundo o ministro, “dar uma canetada sem parecer, é cana”.

A população, essa foi relegada ao papel de mero “boi de piranha”, aquele moribundo e de menor valor, dado em sacrifício para os mais valiosos não sofram danos.

Após a morte de mais de vinte mil pessoas (e contando…) somos usados como instrumento de destruição em troca de bens mais valiosos para o dono do rebanho e, pasmem, sob o aplauso orgulhoso de grande parte do gado.